MATÉRIA CONHECIDA

M

A residência médica permite aos recém-formados, a prática, sob tutela dos mais experientes, de conhecimentos amealhados nos seis anos da faculdade.

De acesso restrito a poucos, cada vaga é tão disputada que quem a conquista muito mais que vitorioso, sente-se, simplesmente, o máximo.

Até começar o estágio.

Além da liturgia própria e rígido código de comportamento, há uma hierarquia a ser respeitada.

Nas especialidades cirúrgicas, sempre muita disputa pra ver quem opera mais.

Tarefas distribuídas. As penosas e menos importantes, reservadas aos mais modernos.

Cirurgia completa, de pele-a-pele só para os veteranos.

Aquele R1 (residente calouro), o burro de carga do serviço, reclamava pelos quatro cantos, as poucas oportunidades que tinha de desenvolver suas habilidades.

Quando escalado para o centro cirúrgico era para instrumentar ou então como segundo auxiliar.

Cansou de dar pontos na pele, a maior responsabilidade a ele atribuída.

Já na enfermaria, era dele todo o serviço. Prescrições, evoluções e a entediante burocracia.

Além do encargo de fazer os curativos – tarefa que considerava ser da enfermagem – e descrevê-los em minúcias nas visitas da equipe à beira do leito.

Aquele paciente não vinha evoluindo bem. Curativo sempre sujo, tendo de ser trocado com frequência.

O chefe, resistente em admitir insucessos nas suas intervenções, afirmou que toda aquela secreção escura e mal cheirosa era serosidade.

Coisa normal que logo se resolveria.

Foi aí que o mais jejuno do grupo criou coragem, discordou da autoridade máxima e fez seu próprio diagnóstico.

Para ele, o paciente havia desenvolvido uma fistula intestinal que drenava, cada vez mais, fezes.

E encerrou o caso com uma observação incontestável:

Isto é merda. E merda eu conheço bem.

Sobre o autor

Domicio Arruda
Domicio Arruda

Médico urologista há mais de 40 anos. Foi Presidente da Unimed Natal, Diretor Geral do Hospital Walfredo Gurgel e Secretário Estadual da Saúde. Atualmente dedica-se ao ofício de avô em tempo quase integral.

1 comentário

Domicio Arruda Por Domicio Arruda