Ministério Público Federal não quer que RN produza sal

M

Noventa anos depois (completados no dia de hoje), era criada criada a Inspetoria Geral de Salinas no RN, e 62 anos do Presidente Juscelino Kubistckek ter criado o Instituto Brasileiro do Sal (por coincidência, também no dia de hoje), dois atos governamentais que incentivavam um dos produtos mas tradicionais do Rio Grande do Norte, a Procuradoria Geral da República, toma o sentido contrario: – solicita uma medida liminar proibindo a atividade no Estado.

Esse excesso de zelo do Ministério Público Federal já prejudicou em muito o RN, louvando-se numa legislação que tornou “Zona de Proteção Ambiental” as áreas de salinas, algumas com mais de 400 anos, como se fosse defesa da ecologia (que não é). Poucos dias depois da Presidência da República reconhecer que a situação do RN é diferente, o MPF entra com força total contra o sal uma atividade com mais de 400 anos.

As salinas começam aqui na foz dos rios (quase todos rios secos) e a legislação nacional considerou tudo – inclusive a região do Semi Árido -como Zona de Proteção Ambiental, dando o mesmo tratamento as outras regiões com situação totalmente distinta.

SAL e SALINA

 

Uma salina é uma área de produção de sal marinho pela evaporação da água do mar ou de lagos de água salgada. O sal marinho formado na salina é uma rocha sedimentar química, que tem origem na precipitação, quando esta sofre evaporação. Na foto, salina artesanal no RN em 1940,

Várias zonas do mundo, incluindo a França, Portugal, a Irlanda, e a área de Cape Cod (EUA), produzem sal marinho. O sal marinho produzido no Havaí pode ter uma cor específica, vermelha acastanhada, que lhe vem do solo vulcânico, rico em ferro, que está presente como impureza. Na maior parte do mundo, o sal marinho é mais caro que o sal de mesa. Entretanto, no Brasil, em função da escala de produção, é o tipo mais comum e barato. As maiores salinas do país estão situadas em Areia Branca, no Rio Grande do Norte.

Em cerca de 110 a.C., o imperador chinês Han Wu Di estabeleceu o monopólio do comércio de sal no país, transformando a “pirataria de sal” num crime sujeito à pena de morte. Na Índia, em 1930, o governo colonial britânico instituiu um imposto sobre o sal, o que levou à famosa Marcha do Sal, entre 12 de Março e 5 de Abril, quando Gandhi liderou uma caminhada de milhares de pessoas até o mar, a fim de recolher o seu próprio sal e não pagar o imposto.

 

Sobre o autor

Cassiano Arruda
Cassiano Arruda

Jornalista e escritor.

Adicionar comentário

Raio-X Marketing Carratu Digital
Cassiano Arruda Por Cassiano Arruda