TagGoverno americano

Comitê da Câmara dos EUA pede que governo condene Bolsonaro

Comitê da Câmara dos EUA aprovou nesta quarta-feira um pedido para que o secretário de Estado, Mike Pompeo, condene algumas das ações do novo governo brasileiro na área de direitos humanos. De acordo com o presidente da comissão, o deputado democrata Eliot L. Engel, de Nova York, as decisões e posições anunciadas pelo governo de Jair Bolsonaro prejudicam a comunidade LGBT, grupos indígenas e afro-brasileiros.
Do O Globo
Na carta, a comissão — agora sob o comando de um deputado de esquerda, que em outros momentos assinou petições contra o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff — insta Pompeo a censurar o novo governo. Pompeo foi o representante de Trump na posse de Bolsonaro.
O texto lembra de episódios anteriores à campanha eleitoral, como em 2013, quando Bolsonaro disse que “tinha orgulho de ser homofóbico” e que “preferia um filho morto a um filho gay”. O documento também critica a revisão das demarcações de terras indígenas e a transferência da secretaria que trata do tema para o Ministério da Agricultura.
Segundo o texto, isso vai contra os valores americanos, que sempre defenderam os direitos humanos. O documento reclama que o assunto não tenha sido tratado na reunião entre Pompeo e Bolsonaro em Brasília, no último dia 2. “Ficamos, portanto, perplexos porque, após sua reunião com o presidente Bolsonaro, uma transcrição do Departamento de Estado explicou que o senhor ‘reafirmou a forte parceria EUA-Brasil, enraizada em nosso compromisso comum com democracia, educação, prosperidade, segurança e direitos humanos’. Não está claro se o presidente Bolsonaro compartilha esses valores”, diz o documento.
“Se o governo Trump está de fato comprometido com essa parceria, sugerimos fortemente que você não encubra o comportamento de Bolsonaro, mas levante objeções a essas ações recentes de forma privada e pública”, acrescenta o texto.
“Apreciamos a importância de trabalhar com parceiros nas Américas, como o Brasil, para promover os direitos humanos e a democracia na Nicarágua, na Venezuela e em Cuba. Ao mesmo tempo, é essencial que os Estados Unidos continuem a defender a natureza universal dos direitos humanos, falando quando os direitos de qualquer grupo marginalizado estão comprometidos”, informa o documento da comissão, assinado por seis deputados.
O governo Bolsonaro pretende ter uma relação especial com Washington. O novo chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, afirmou que “o céu é o limite” na relação bilateral, e Bolsonaro chegou a oferecer a Pompeo a possibilidade de uma base militar americana no Brasil — fato que foi desmentido depois pelo ministro da Defesa. O governo americano elogiou a eleição de Bolsonaro, e Trump felicitou o discurso do novo mandatário brasileiro em uma mensagem no Twitter.
Não há ainda previsão de quando Pompeo responderá a esta carta. Questionado sobre tal comunicação no fim da tarde desta quarta-feira, a embaixada brasileira em Washington afirmou que não se pronunciará, pois a carta não é endereçada ao governo brasileiro. Em entrevista coletiva na semana passada, o ministro Araújo afirmou que conversou com Pompeo sobre direitos humanos e disse que o novo governo em Brasília trabalharia para todos.
Críticos afirmam que a nova gestão erra ao focar em valores republicanos e ao buscar uma relação apenas com o governo Trump, e não uma atuação institucional. O deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidente e que visitou os EUA em novembro para criar laços com o governo americano, chegou a vestir um boné defendendo a reeleição de Trump em 2020.